[PORQUÊ OU O QUE SOMOS EU? – O CÉREBRO COMO DISPOSITIVO ARQUITECTÓNICO DE CONCEITOS]

[PORQUÊ OU O QUE SOMOS EU? – O CÉREBRO COMO DISPOSITIVO ARQUITECTÓNICO DE CONCEITOS]
“se a máquina resulta de um complexo processo de subjetivação, e se a subjetividade é fruto de um agenciamento social múltiplo, não há por que separar a máquina e o homem sob a base da oposição natural/artificial. Todo o corpo tem as suas artificialidades, toda a máquina tem as suas virtualidades: são os agenciamentos sociais nos corpos e nas máquinas” Parente (2010, p. 94)

[PORQUÊ OU O QUE SOMOS EU? trata-se de um trabalho para implantação efémera em espaço público – no caso – a Casa das Caldeiras, topo do edifício –  janela de vidro/varanda corrida. Com este trabalho, com recurso ao  videomapping, realidade aumentada, imagiologia médica – TAC – que contou com a colaboração da neurorradiologista Inês Carreiro, pretendeu-se uma abordagem com simplicidade de plástica usando a imagem cerebral em movimento remetendo o espectador para uma auto-reflexão, acção introspectiva que poderá ser gerada pela percepção resultante das sensações visuais e da mistura do ambiente criado de cruzamento de ideias: a arquitectura como fenómeno de criação e do pensamento humano e o cérebro humano como parte do dispositivo global que origina a criação de conceitos.

© Isabel Maria Dos, 2014

© Isabel Maria Dos, 2014

Casa das Caldeiras, Universidade de Coimbra

Advertisements